quinta-feira, 17 de abril de 2008

Reflexões e ações de um Papa – um texto de ficção

Claudiomar Filho

Posso bem imaginar o que se passara pela cabeça do Papa naquela tarde-noite de um domingo qualquer. Procurava ele discernir um modo eficaz para dar um basta em toda a desfiguração pela qual se acometia a Igreja. Modernismo repugnante, meias-igrejas, falsos cristãos, fumaça infernal a sufocar-nos. Na face verdadeira, apenas uns poucos...Não mais que uma idéia. Audaz.Intrigante. Pô-la em prática, enfim.Assim se deu que o Papa agira, em reflexões e ações:“As multifaces da igreja já não formam uma só. Dar-lhes-ei o que acham que convém. Liberdade! liberdade para serem a igreja que querem!Aos da Teologia da Libertação, que possam impor seu maior pensamento ante a já ultrapassada Igreja que chegara até nós, de moldes medievais, caduca e ineficaz para o mundo de hoje. Podem optar pelos pobres, lutem por uma vida digna para eles aqui na terra, mas os perdoem se eles optarem por outra igreja. A partir de agora vão pelo caminho que escolheram e podem até mesmo levantar uma bandeira com um novo nome como queiram chamar esse novo jeito de ser igreja. Que tal Igreja Libertadora dos Pobres e Oprimidos. Escolham seu líder e sigam a ele como quiseram sempre.Aos Carismáticos, que possam exercer os dons que só estão presentes naqueles que louvam e dançam, profetizam e curam, ainda que entre estas tantas ações se achem algo que seja contrário ao que a Igreja sempre ensinou. Estão livres. Vão agora, sem censura nenhuma. Mas se algum protestante, por engano, inserir-se entre vós, alerte-o e encaminhe-o ao seu templo, e mostre bem a diferença, pois na igreja de vocês fala-se de Maria. Que tal afixar o letreiro: Igreja Renovada Carismática, assim menos deles se confundirão.Aos neo-catecúmenos, que montem sua própria liturgia e vivam tudo o que ela contém. Não lhes advertirei com mais nenhum documento regulador da liturgia. Enfim não precisa mais combater-nos. Não me importarei até se passerem a chamar-vos de Igreja NeoCatecumenal.E assim, sucessivamente.

E assim, sucessivamente. Igreja Focolarina, Igreja da Comunhão e da Libertação, Igrejas das Pastorais Necessárias e Opcionais, Igreja da Celebração da Palavra, Igreja da Distribuição do Pão do Banquete, Igreja dos Aplausos pra Cristo Crucificado, Igreja de Todos os Sons na Festa do Sacrifício, igrejas e mais igrejas, tantas quantas queiram e sejar um novo jeito de ser seguidor de um cristo diferente. Ide avante, pelo caminho que abrirem e na paz que desejam ter.E a vós, poucos homens, bravos guerreiros que mantiveram íntegra a Tradição apostólica, que arriscaram manter-se naquilo que aprenderam e ousaram não ousar. Não tenho outro nome a vocês e de certo vocês não têm outro líder a seguir, pois permaneceram na fé. Na fé do Cristo..., do mesmo Cristo do qual quero ser a voz aqui na terra. Continuarei a chamar-vos sensatamente de IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA. E ficarei torcendo para que os outros retornem convertidos”.

Nota: O texto é fictício, mas deve conduzir a uma verdadeira reflexão. E, queira Deus, a muitas verdadeiras conversões.

2 comentários:

ascendens disse...

FANTÁSTICO.

Este texto é muito bom ...daria para fazer um livrinho. Poderia tornar o texto maior e assim com cores? Fazer umas páginas e um dia publicar?

Um abraço e que Deus o abençoe.

Lazaro Laert disse...

Salve Maria!

Sim, poderia.
Fique avontade, para ultiliza-lo.

Salve Cristo Rei!