quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

Candidato apoiado pela R.C."C", faz elogios a maçonaria

Sob a imagem de Winston Churchill e ao lado da árvore de Natal que decora o hall do Grande Oriente de São Paulo, o ex-governador Geraldo Alckmin concede entrevista para um maçom - ainda com o avental em mãos .
..............................................................................................................
O mundo precisa da maçonaria" pelo trabalho que desempenha e os classifica como "formadores de opinião". diz o ex-governador Geraldo Alckmin
......................................................................................................................................................................
Raphael Prado
Tempo ruim na capital paulista. Quem chega à sede do Grande Oriente de São Paulo (Gosp) - uma das muitas jurisdições da Maçonaria brasileira - no bairro da Liberdade, não sabe se leva o guarda-chuva ou se deixa no carro, protegido no estacionamento.
Estão ali cerca de 300 pessoas, entre maçons adornados com aventais, colares, medalhas e comendas, elegantes senhoras, algumas poucas crianças. Assistirão, dentro de instantes, a uma palestra do ex-governador, ex-presidenciável e agora "prefeitável" Geraldo Alckmin, do PSDB de São Paulo.
O evento marcado para as 20h atrasa um pouco. Alckmin está reunido com as altas autoridades maçônicas presentes, em uma sala fechada.
Começa o ato. Todos em pé no Templo, o convidado vai entrar. Acompanhado do Grão-Mestre do Grande Oriente de São Paulo, o advogado trabalhista Benedito Marques Ballouk Filho, Geraldo Alckmin é recebido. Mantém o sorriso pálido que lhe rendeu o apelido de "Picolé de Chuchu".
Todos continuam em pé para homenagear a Pátria. Entra a Bandeira Nacional. Os participantes são convidados a saudá-la, com o Hino. Alckmin canta:
"... plácidas""
... retumbante""
... fúlgidos..."
As autoridades maçônicas saúdam e agradecem a presença do convidado:
- Num tempo em que vemos solapar nossos valores morais, cívicos e familiares, recebemos um homem cuja vida política o credencia para estar entre os pedreiros-livres - inicia o Grão-Mestre.
Alckmin - que não é maçom - começa sua palestra. Também agradece a oportunidade, diz que "o mundo precisa da maçonaria" pelo trabalho que desempenha e os classifica como "formadores de opinião".
Reconhece que o Brasil vive um bom momento. Para ele, graças à expansão da economia mundial. Alckmin critica a carga tributária e elogia a China. Muitas vezes. E muitas vezes compara o Brasil com o país asiático:
- Com essa carga tributária brasileira, é como você correr com uma mochila de 40 kg e seu concorrente estar com 20 kg na mochila dele. Por que os asiáticos crescem? Moeda desvalorizada. É país exportador.
O dólar está mais desvalorizado em relação ao real do que alguns setores, os exportadores, gostariam.
A apresentação de Alckmin é breve. Abre-se a palavra para perguntas da platéia. Quatro maçons, previamente selecionados - daqueles que se reuniram com ele a portas fechadas antes do evento - têm direito à palavra.
O primeiro a perguntar é um Deputado Federal da Poderosa Assembléia Legislativa do Grande
Oriente do Brasil. Não pergunta. Apenas agradece, elogia e expõe um desejo:
- Espero que a nossa cidade seja bem administrada na próxima gestão.
Alckmin sorri.
Diz que esteve em Harvard, estudando depois que perdeu a presidência na campanha do ano passado. E que vai a Bogotá, na Colômbia, em 2008, para conhecer o sistema de transporte daquela cidade. Ele acha que esse é um dos principais problemas das metrópoles.
O ex-governador pede que dêem valor ao poder local, já que "ninguém mora no Estado ou na União; são poderes jurídicos".
Vem o segundo a questionar. É o presidente do Tribunal Estadual de Justiça Maçônica. Destaca que a gestão de Alckmin à frente do Estado foi "um exemplo de dignidade, algo que falta ao Brasil". E pergunta:
- Estamos perplexos que na direção do nosso País esteja uma pessoa que se coloca na posição de desconhecimento. Ele desconhece tudo. E ainda ouvimos ele aparecer na mídia dizendo que tem democracia na Venezuela! Vamos fechar esse ciclo de negativismo com o seu positivismo. Minha pergunta é: será possível?
"Ele" não tem o nome citado. Assim responde Alckmin:
- Tive 40 milhões de votos. Quem ganhou teve 60 milhões. É preciso reformar esse sistema personalista da política no Brasil. São muitas as reformas que faltam. O primeiro ano de governo, e esse quinto ano é o primeiro do segundo mandato dele, é o das reformas. E nada foi feito.
Agora é a vez do prefeito de São Sebastião, Juan Manoel Pons Garcia, do PPS. Ele se diz "louvado" com a presença do Grande Mestre. Esclarece que não se refere ao líder máximo da maçonaria, mas ao palestrante:
- Espero tê-lo como colega (de prefeitura) daqui a um ano.
Juan Manoel mostra-se preocupado com um "sectarismo" que, para ele, foi criado no Brasil "por falta de educação".
- É uma luta fratricida entre pobres e ricos. A tônica de um governo deveria ser: quando se olha para quem precisa, não se deve tirar os olhos dos mais abastados. Vamos ter que aprimorar isso. Como fazer?
Alckmin ressalva:
- Fazer justiça é fundamental. É governar para todos, mas para quem precisa mais. Estou cada vez mais convencido de que as mudanças (no Brasil) virão da sociedade organizada.
O próximo a ter a palavra é um médico nascido em Taiwan. Filho de chineses que fugiram do regime local, diz que passou fome, trabalhou como camelô em São Paulo e, mesmo estudando em uma escola pública, conseguiu entrar na faculdade de medicina da USP. Aproveita para parabenizar a gestão do ex-governador, "época em que ganhou mais". Pergunta:
- Hoje, a China é a fábrica do mundo. O Brasil é a fazenda. Como transformar essa situação?
China, país de economia planificada, governo sabidamente autoritário, liberdade de imprensa restrita - as mesmas críticas que a direita atribui à Venezuela de Hugo Chávez, mas que não servem à China de Hu Jintao. Fábrica do mundo, afinal.
Alckmin se permite, delicadamente, discordar:
- O Brasil não é mais uma fazenda. Viveu do café, da cana. Hoje, o produto de exportação brasileiro é avião. A Embraer tem 14 mil empregados.
Por fim, os elogios do maçom e deputado federal William Woo (PSDB-SP):
- Meu sempre governador... Deu uma lição de sabedoria e conhecimento.
E então a palestra chega ao fim. Agradecimentos finais, um "parabéns" do palestrante pela iniciativa da maçonaria. Encerra:
- O Estado não é importante. A Nação é que é importante. O Estado é um braço da Nação. E a Nação está aqui. O Brasil é vocacionado para ser o celeiro do mundo.
A Nação que estava ali é convidada a uma nova saudação à Pátria. Dessa vez, o Hino à Bandeira. Alckmin acompanha:
"... da esperança"
"... augusto da paz"
"... à lembrança..."
Na saída, muitas das elegantes senhoras querem tirar uma foto com o ex-governador. Os senhores, também elegantes, querem falar de política, parabenizá-lo, elogiar as críticas à "pesada carga tributária".
Do outro lado da rua São Joaquim fica o Hakka Plaza. Lá é oferecido um coquetel aos participantes do evento. Espaço para 200 pessoas, regado a vinho chileno Santa Carolina. Uma funcionária do buffet diz que, num dia da semana - como era o caso -, o aluguel do espaço sai em torno de R$ 4 mil. Mas tem o salão maior, para 1000 pessoas, "se quiser".
Garçons de impecável uniforme branco servem. Discretamente, um deles é questionado: "Fale a verdade, entre nós, você votou em Geraldo Alckmin na eleição do ano passado?".
Ri sem graça. E responde:
- Claro! Eu sou PSDB até a morte!
fonte: Terra Magazine http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI2132887-EI6578,00.html
.................................................................................................................................................................................................................................
PT e o PSDB sejam os dois lados da mesma moeda luciferiana
Católico e socialista são termos antitéticos. E se o socialismo, como todos os erros, tem em si algo de verdade (o que certamente nunca o negaram os Sumos Pontífices), se apóia, entretanto, numa doutrina sobre a sociedade humana -- doutrina que lhe é própria --, que destoa do verdadeiro cristianismo. Socialismo religioso, socialismo cristão, são termos contraditórios. Ninguém pode ser ao mesmo tempo bom católico e verdadeiro socialista" (Pio XI, Quadragesimo Anno, Denzinger, 2770. )
.........................................................................................................................................
O antigo cân. 2335 aparece o novo cân. 1374: "Quem se inscreve em alguma associação que maquina contra a Igreja seja punido com justa pena; e quem promove ou dirige uma dessas associações seja a punido com interdito".
Em 26 de novembro de 1983, na véspera da entrada em vigor do novo Código de Direito Canônico,
L´Osservatore Romano publicou uma "Declaração sobre as Associações Maçônicas". 0 texto da Declaração afirma:
a) Permanece imutável o parecer negativo da Igreja a respeito das associações maçônicas.
b) Os seus princípios foram sempre considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja.
c) Permanece proibida a inscrição na Maçonaria.
d) Os fiéis que pertencem às associações maçônicas estão em estado de pecado grave e não podem aproximar-se da Sagrada Comunhão.
e) Não corresponde às autoridades eclesiásticas pronunciar-se sobre a natureza das associações maçônicas com juízo que implique derrogação de quanto acima estabelecido (L´Osservatore Romano, 26/11/1983)

Um comentário:

Anônimo disse...

incrivel... Em Portugal a coisa já está muito mal...a maçonaria com suas ideias diabólicas governa o estado.