quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Cardeal Ratzinger havia afirmado que a Liturgia da Missa nova foi fabricada


Cardeal Ratzinger(Hoje Bento XVI, o Papa) disse:"...depois do Concílio... em lugar de uma liturgia fruto de um desenvolvimento contínuo, surgiu uma liturgia fabricada"
"É difícil dizer em poucas palavras aquilo que, na querela dos liturgistas, é realmente essencial e o que não é. Pode ser a indicação seguinte seja útil. J. A. Jungmann, um dos grandes liturgistas do nosso século, definiu a liturgia como a entendemos no Ocidente, sobretudo através das pesquisas históricas, como uma "liturgia fruto de um desenvolvimento", provavelmente para contrastar a noção oriental que não vê na liturgia um devir e um crescimento histórico mas só o reflexo da liturgia eterna, na qual a luz, através da função sacra, ilumina o nosso tempo e o reveste com a sua beleza e grandeza imutáveis. As duas concepções são legítimas e não inconciliáveis. O que aconteceu depois do Concílio foi muito diferente: em lugar de uma liturgia fruto de um desenvolvimento contínuo, surgiu uma liturgia fabricada. Saímos do processo vivo de crescimento e de devir para entrar na fabricação. Não quisemos prosseguir o devir e o amadurecimento orgânico do que vive através dos séculos, e o substituímos - como na produção técnica - por uma fabricação, um produto banal do instante. Gamber, com a vigilância de um autêntico profeta e a coragem de um testemunha, opôs-se a essa falsificação e nos ensinou incansavelmente a plenitude viva de uma liturgia verdadeira, graças ao seu grande conhecimento"
(Parte do prefácio do livro La réforme liturgique em question, de Klaus Gamber, Editions Sainte-Madeleine).
Texto:enviado por Rodrigo Salesi

Nenhum comentário: