quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Monsenhor Jonas Abib - erro reconhecido!


O bom e velho prof Felipe, discípulo inconteste do reverendíssimo agora Monsenhor Jonas Abib, é uma pessoa tão dúbia que deveria ter seguido a carreira artística.
Tece elogios ao novíssimo Monsenhor, afirmando que a concessão do título refere-se ao reconhecimento do trabalho de Jonas Abib. Certamente não afirmamos que não há “méritos” no sr. Jonas, mas eles devem estar muitíssimo bem escondidos e certamente não referem-se à fidelidade à Igreja.
Ser fiel à Igreja não é criar rádios e Tv globais, ser fiel à Igreja não (apenas) dizer que se deva obedecer ao papa. Ser fiel à Igreja é ser obediente ao papa e à santa Tradição Apostólica, cumprindo sem pestanejar as orientações e normas emitidas pelo romano pontífice. Monsenhor Jonas faz isso?
Evidentemente podemos dizer que não!

A Canção Nova é um centro de profanação ao sacramento da eucaristia e a todos os outros sacramentos instituídos. Dançam em frente ao santíssimo, gritam e berram nos “acampamentos”, contrariando tudo aquilo que é recomendado pelos papas, tanto antes como depois do Vaticano II. Não há contemplação que dure na Canção Nova mais de 2 minutos, não há silêncio que vença as guitarras de Dunga e a desafinação de Salette Menezes. Como pode o sr Felipe Aquino dizer que Roma Locuta Causa Finita!?
Conceder um título ao velho padre Jonas não é sinal em absoluto, do reconhecimento da obra dele. O título de monsenhor é solicitação do bispo local e não vem espontaneamente do Papa, que devo intuir, nem conhece o padre o Jonas. Se a concessão de títulos significa reconhecimento então deveríamos ficar chocados com o episcopado de Pedro Casaldaliga, bispo defensor ferrenho da teologia da libertação. O episcopado não é muito maior que o “monsenhorado”?

E quem dirá o cardinalato? A concessão do cardinalato ao bispo Law significa um reconhecimento da pedofilia e do seu acobertamento por parte das Cúrias? O cardinalato é certamente muito maior do que o “monsenhorado”!

Vemos que títulos não significam nada quando quem os recebe se empenha em destruir a Igreja desde dentro, com patéticas demonstrações de fidelidade, tão frágeis e contraditórias. Padre Jonas prega à fidelidade à Igreja e ao Papa? Então que demonstre isso lendo os documentos recentes de Bento XVI, leia as recomendações da Congregação para o culto Divino sobre os abusos litúrgicos, que são a marca registrada da Canção Nova. E não me venha o sr Felipe Aquino dizer que há erros na RCC só da parte de pessoas desorientadas na fé, porque esses erros começam na cabeça do movimento e infestam todo o corpo!Roma locuta causa finita!
Leia o motivador em: http://www.cancaonova.com/portal/canais/pejonas/informativos.php?id=761
Texto: Danilo Augusto


Nenhum comentário: