sábado, 15 de setembro de 2007

O mais puro absurdo e heresia em nome da pastoralidade


Texto na Canção Nova sobre casais em "segunda união":




O tal pe. Luciano Scampini chega a dizer que:


"Mas como percorrer o caminho de vida cristã? Vivendo uma vida de santidade. Sou testemunha de que, - de acordo com todos os encontros que ministro -, há casais de segunda união que procuram viver sua santidade. Isso não é impossível, mas é verdade".


O "genial" padre só não explica como é possível viver em santidade, estando ao mesmo tempo em pecado mortal por uma atitude pertinaz de recusa da doutrina de Cristo. Como podem ter vida de santidade se pelo pecado mortal perderam a graça santificante?


Notem também como tudo se rende ao "culto ao homem" desrespeitando até mesmo as leis de Deus. Ele corrompe a parábola do bom samaritano, assim como fez Paulo VI em seu famoso discurso de encerramento de Vaticano II. Mas o amor do bom samaritano era pelo ferido apenas e não por sua tragédia física e suas chagas.


Ele vai mais além e instigado por uma pergunta da herética Canção Nova dá uma resposta aterradora. Vejamos:


cancaonova.com: Como a Igreja (?? A Igreja?) orienta o casal, que quer namorar, enquanto esperam o processo de nulidade?


Padre Scampini: "Enquanto esperam o processo de nulidade do casamento, o casal pode namorar, porque ainda há a possibilidade de que o processo seja aprovado. Não que o processo anule o casamento, apenas declara que ele não houve. Mas é preciso que seja um namoro cristão; não pagão como a televisão prega".


Qual a prudência de um conselho desse? Assim como há a possibilidade do casamento anterior ter sido nulo, há também a possibilidade de ter sido válido. Pode um homem ou mulher católica ter um "namoro cristão" com alguém que não seja seu cônjuge? Não, não pode! Então, também existe a possibilidade grande desse "namoro" ser na verdade um ato de adultério. É melhor por prudência, que os envolvidos nesta espera se abstenham de qualquer relacionamento amoroso, em qualquer nível. Não se joga cara ou coroa com a possibilidade de pecado, e pecado mortal!


Ao final da entrevista, o quê o padre cita para justificar a mudança na maneira da Igreja? Vaticano II, sempre ele.


O que vemos nesta suposta "pastoralidade" é puro non sense herético! E essas heresias da Canção Nova, do pe. Jonas e da RCC se multiplicam a cada dia.
fonte: tradicionalista

2 comentários:

teresita disse...

que absurdo! santidade em segunda união. pergunto-me como eu gostei tanto tempo da canção nova! mea culpa... eu agora já não vejo a canção nova, só oiço a cristiandad, a conviccion chile e leio blogs e sites católicos tradicionais. a canção nova é veneno para as almas. deus nos abensoe a todos e a santíssima virgem maria nos cubra com o seu sagrado manto. eu só penso até quando vai deus nosso senhor ter paciencia para aguentar tanta heresia. deus tenha misericordia de nós e dos hereges também.

Ancien Régime disse...

Parabéns Lázaro pelo seu blogue!

De facto, as declarações desse padre deixam-nos todos indignados e tristes mas, uma vez mais, é este mais um dos afamados frutos do «Vaticano II».

Continue lutando e orando pela restauração da Tradição católica e apostólica no seio da Igreja pós-conciliar e da sociedade!

Tenho confiança em Deus que não se engana nem se deixa enganar.

A Igreja há-de sair deste lamaçal de heresia porque «as portas do Inferno jamais prevalecerão sobre ela».

Um abraço e forte bem-haja. Que a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja convosco.