sexta-feira, 15 de junho de 2007

Padre Jonas Abib e o abortista Geraldo Alckmin


Outro fato sem discernimento (ou um dom extraordinário que o ajuda-se) do Padre Jonas Abib, mais por respeito humano por ter adquirido terras de modo suspeita , que leva desmacarar também a mentira que movimento carismático que se diz pleno do Espírito Santo, com o apoio ao candidato da republica Geraldo Alckmin que é a favor do aborto.Veja o que escreve a Montfort , com justa ação católica de consciência contra o aborto, do que diz o candidato: “ O apelo para que sua posição a respeito do aborto seja revista tem origem do noticiário divulgado pela imprensa, dando conta de que V. Excia manifestou sua concordância com a atual legislação no que se refere à pratica do aborto, ou seja, a permissão do aborto nos casos de estupro ou perigo de vida para a mãe, e pior, o desejo da ampliação dessa permissão para os casos de anencefalia. (Folha de São Paulo 18/12/2005 e Revista Veja, ed. 1. 948, 22 de março de 2006 ‘ A aposta tucana’)"."Geraldo, parabéns porque você é gente, acima de tudo. Teve família, teve raízes. Que você seja o homem público de que o Brasil está precisando, com raízes profundas na família", trechos da fala de Padre Jonas.

O pior que em minha casa recebir, os panfletos com os candidatos tucanos e o Padre Jonas Abib trocando elogios.

E também a Igreja não e partidária, a missão dela e evangelizar as almas, e não tomar partidor de um “tal” candidato. O dever do sacerdote e instruir o fiel a não votar em canditatos que ferem a doutrina Católica. Como fez a CNBB, que distribuiu uma cartilha indicando a característica dos candidatos que não devemos votar. (os que ferem os ensinamento da Santa Igreja Católica).
A Igreja como mãe não pode bajular um filho e rejeitar o outro, e sim abraçar os dois, e se um deles estiver no erro o dever dela e corriligi-lo e orar pela conversão dele.
CIC 2442 – Não cabe aos pastores da Igreja intervir diretamente na construção política e na organização da vida social. Essa tarefa faz parte da vocação dos fies leigos, que agem por própria iniciativa com seus concidadãos. A ação social pode implicar uma pluralidade de caminhos concretos. Terá sempre em vista o bem comum e se conformara com a mensagem evangélica e com a doutrina da Igreja. Cabe aos fies leigos “animar as realidades temporais com um zelo
cristão e comportar-se como artesão da paz e da justiça”. Leia também o CIC 2245-2246.
CIC 2272-( a cooperação formal para um aborto constitui um falta grave...).

Tem outros documentos que poderia também citar.



E para lembrar o Geraldo Alckmin, apóia a união civil de homossexual.

Nenhum comentário: