domingo, 11 de fevereiro de 2007

Véu...Podemos desobedecer o Apóstolo São Paulo?


Por quase 2000 anos, mulheres Católicas se cubriram com o véu antes de adentrarem na Igreja ou em qualquer momento que estivessem na presença do Santíssimo. Está escrito no Código de Direito Canônico de 1917: Canon 1262, que a mulher tem que cubrir suas cabeças--"especialmente quando se aproximam da mesa sagrada" (altar)."Mulieres autem, capite cooperto et modest vestitae, maxime cum ad mesnam Domincam accedunt".Mas Durante o Concílio Vaticano II, Bugnini (o mesmo Maçon que designou a Missa do Novo Ordo), quando indagado por jornalistas se as mulherers deveriam continuar a cubrir suas cabeças, sua resposta talvez bastante inocente, foi de que este tópico não estava em discurssão. Os jornalistas (como eles costumam fazer o que querem com o ensino da Igreja) tomaram esta resposta como "não", e imprimiram esta incorreta informação pelo mundo a fora. A partir daí, mulheres do "mundo do Novo Ordo" perderam a Tradição.Após tantos anos de repúdio e/ou indeferença ao véu por parte das mulheres e num contexto geral, o Vaticano (como é de costume após o CVII), não querendo confrontar e/ou decepcionar as feministas, simplesmente fingem que o problema não existe. Quando o Código de Direito Canônico de1983 foi produzido, a questão do véu simplesmente não foi mencionada (não foi abolida, simplesmente não mencionada). De qualquer forma, Canons 20-21 do Código de Direito Canônicode 1983 deixa claro que a nova Lei Canônica só abole a Velha Lei Canônica quando eles escreverem explicitamente isto, e que em caso de dúvidas, a Lei Antiga não deve ser revogada, pelo contrario:Canon 20 A later law abrogates, or derogates from, an earlier law if it states so expressly, is directly contrary to it, or completely reorders the entire matter of the earlier law. A universal law, however, in no way derogates from a particular or special law unless the law expressly provides otherwise.Canon 21 In a case of doubt, the revocation of a pre-existing law is not presumed, but later laws must be related to the earlier ones and, insofar as possible, must be harmonized with them.http://www.vatican.va/archive/ENG1104/__P3.HTMCanon 27 e 28 adiciona ao argumento:Canon 27 Custom is the best interpreter of laws.Canon 28 Without prejudice to the provisions of can. 5, a custom, whether contrary to or apart from the law, is revoked by a contrary custom or law. But unless the law makes express mention of them, it does not revoke centennial or immemorial customs, nor does a universal law revoke particular customs.http://www.vatican.va/archive/ENG1104/__P4.HTMConsequentemente, de acordo com a Lei Conônica e o custume, a mulher continua tendo o dever de cobrir suas cabeças.O véu cristão é um assunto muito sério, e não somente um que diz respeito a Lei Canônica, mas também o de 2 milênios de Tradição da Igreja --na qual se encontra na Tradição do Velho Testamento e nas admonições do Novo Testamento, aonde São Paulo escreveu:1. Tornai-vos os meus imitadores, como eu o sou de Cristo. 2. Eu vos felicito, porque em tudo vos lembrais de mim, e guardais as minhas instruções, tais como eu vo-las transmiti. 3. Mas quero que saibais que senhor de todo homem é Cristo, senhor da mulher é o homem, senhor de Cristo é Deus. 4. Todo homem que ora ou profetiza com a cabeça coberta falta ao respeito ao seu senhor. 5. E toda mulher que ora ou profetiza, não tendo coberta a cabeça, falta ao respeito ao seu senhor, porque é como se estivesse rapada. 6. Se uma mulher não se cobre com um véu, então corte o cabelo. Ora, se é vergonhoso para a mulher ter os cabelos cortados ou a cabeça rapada, então que se cubra com um véu. 7. Quanto ao homem, não deve cobrir sua cabeça, porque é imagem e esplendor de Deus; a mulher é o reflexo do homem. (1 Corinthians 11:1-7)De acordo com São Paulo, as mulheres usam o véu como sinal que Sua Gloria, (não da nossa) deve ser o foco de Adoração, como sinal de submissão á autoridade. É o reconhecimento e um sinal de se ter Deus e o marido (ou pai, de acordo com cada caso) como cabeças, é um sinal de respeito á presença dos Santos Anjos e da Liturgia Divina. Usando o véu, se reflete a ordem invisível divina; e fazem as mesmas visíveis. Isso São Paulo apresenta claramente como uma lei, uma que é a prática de toda Igreja.Algumas mulheres, influenciadas pelos pensamentos das feministas "cristãs", acreditam que São Paulo estava a falar dos homens de sua época, e que esta prática não mais se aplica. Eles usam os mesmos argumentos que os homosexualistas usam ao tentarem justificar seus casos, o que é desnecessario dizer ser um absurdo.Agora, peço aos leitores para relerem atentamente a passagem biblica sobre o véu e repare bem que São Paulo NUNCA se intimidou em quebrar desnecessários taboos. Foi o próprio São Paulo quem enfatizou várias vezes que a circumsição e toda a Lei Mozaica não eram necessárias --e isto era enquanto ele falava a CristãosHebreus!Não, a Tradição e lei do uso do véu não é uma questão de São Paulo ser influenciado por sua cultura, o véu é um símbolo que é tão relevante como a batina de um Padre ou um habito de uma Irmã de Caridade.Repare também que Paulo não está de maneira alguma praticando a misoginia aqui. Ele nos assegura que, a mulher foi feita para a glória do homen, assim como o homem foi feito para a glória de Deus. O homem precisa da mulher, e a mulher do homem. Mas existem diferenças no papel de cada um, ambos iguais em dignidade --e tudo para a glória de Deus (e obviamente que devemos tratar um ao outro absolutamente igual na ordem da caridade!).O véu é também um sinal do reconhecimento das diferentes funções de cada um. O véu é ainda sinal de modéstia e castidade. No tempo do Velho Testamento, descobrir a cabeça da mulher era visto como um jeito de humilhar ou punir adúlteras e mulheres que transgrediam a lei. (Num. 5:12-18, Isaias 3:16-17, Song of Solomon 5:7) A mulher Hebraica não cogitaria nem em sonho adentrar no Templo (ou mais tarde Sinagóga) sem cubrir suas cabeças. Esta prática é simplesmente passada pela Igreja (isso é passado tambem nas Igrejas "Ordodoxas" e até mesmo na religião Judaíca pós-Templo).Pensamos agora no que mais era velado coberto no Antigo Testamento--o Santo Dos Santos!1. A primeira aliança, na verdade, teve regulamentos rituais e seu santuário terrestre. 2. Consistia numa tenda: a parte anterior encerrava o candelabro e a mesa com os pães da proposição; chamava-se Santo. 3. Atrás do segundo véu achava-se a parte chamada Santo dos Santos. 4. Aí estava o altar de ouro para os perfumes, e a Arca da Aliança coberta de ouro por todos os lados; dentro dela, a urna de ouro contendo o maná, a vara de Aarão que floresceu e as tábuas da aliança; 5. em cima da arca, os querubins da glória estendendo a sombra de suas asas sobre o propiciatório. Mas não é aqui o lugar de falarmos destas coisas pormenorizadamente. 6. Assim sendo, enquanto na primeira parte do tabernáculo entram continuamente os sacerdotes para desempenhar as funções, 7. no segundo entra apenas o sumo sacerdote, somente uma vez ao ano, e ainda levando consigo o sangue para oferecer pelos seus próprios pecados e pelos do povo. 8. Com o que significava o Espírito Santo que o caminho do Santo dos Santos ainda não estava livre, enquanto subsistisse o primeiro tabernáculo. (Hebreus 9:1-8)A Arca da Antiga Aliança era mantida no velado/coberto Santo dos Santos.E na missa, o que é muito velado até a hora do Ofertório?O Calice! --O Vaso aonde o Precioso Sangue de Cristo se encontra!E entre as Missas, o que é também velado?O "Ciborium" no Tabernáculo, aonde o Corpo de Cristo se encontra. Esses vasos de vida são velados porque são Santos!E quem é velada? Quem é toda Santa, Arca da Nova Aliança, o Vaso da Verdadeira Vida?Nossa Senhora! -- e ao vestirem o véu, imita-se Nossa Senhora e se afirmam como mulheres, como vasos de vida.FisheatersTransl. Brother Pius [V] T.O.S.D

Nenhum comentário: