segunda-feira, 12 de fevereiro de 2007

Heresias do Pe. Jonas Abib (1)


"A primeira necessidade de um cristão é ter a certeza de sua salvação"

"A Bíblia foi escrita para você" (Loyola São Paulo, 1994), reeditado em parte e completado noutra edição sob o título "A Bíblia no meu dia-a-dia" (Loyola, São Paulo, 1994) no qual ele surpreendentemente defende doutrinas praticamente luteranas:
1) que devemos crer que já estamos salvos (e o padre Jonas faz uma ressalva à leitura ao livro do Eclesiástico, exatamente porque, nesse livro da Escritura, se diz que ninguém sabe se está ou não na graça, e no amor de Deus);
2) deixa entender que basta a fé para nos salvarmos. Além disso, nesse livro, o Padre Jonas não cita uma vez sequer que se deve seguir o Papa, nem fala da necessidade de pertencer à Igreja Católica.
A prova de que Padre Jonas ensina isso lhe dou agora:
"A primeira necessidade de um cristão é ter a certeza da sua salvação. É saber que Deus o ama e o escolheu. Gratuitamente, sem nenhum merecimento seu. Deus o pôs na lista daqueles que quer salvar. Foi uma escolha gratuita! Amorosa! Sem merecimento. Saber disso nos dá a certeza da salvação" (Pe. Jonas Abib, A Bíblia no meu Dia-a-Dia, p. 26).
E logo depois diz o Padre Jonas: "Se tivéssemos de esperar até sermos suficientemente” bons “para nos” tornar digno “da salvação, nós nunca o seríamos. Muitos continuam pensando que Deus nos salva em vista da nossa bondade, dos nossos méritos, das nossas boas obras”.(Idem p. 27).
Essa formulação faz entender que não é necessário praticar boas obras, o que é tese de Lutero, condenada pela Igreja.
Pois a Igreja anatematizou a tese protestante de que o homem deve crer que já está salvo, e que não há necessidade de praticar boas obras: “Se alguém disser que o homem é absolvido de seus pecados e justificado pelo fato de crer que com certeza que está absolvido e justificado, ou que ninguém está verdadeiramente justificado senão aquele que crê que está justificado, e que por esta única fé se realiza a absolvição e a justificação, sejam anátemas. (Concílio de Trento, Denzinger, 824)”.
Ora, infelizmente, é exatamente isso que escreveu o Padre Jonas em seu opúsculo citado. "Se alguém disser que o homem renascido e justificado está obrigado a crer de fé que está certamente no número dos predestinados, seja anátema" (Concílio de Trento, Denzinger, 825).
De novo, a tese cai como luva no que afirmou Padre Jonas em seu livro.
Veja, cara irmã, mais esta citação: "Deus faz a parte dele. Basta que você faça a sua. E a sua parte é dedicar-se. E essa dedicação terá o seu prêmio. 1.o Ela o tornará um cristão mais forte, 2.o Ela dará a você a certeza da salvação. (...)4o. Ela lhe dará a certeza do perdão de Deus” ·(Padre Jonas Abib, A Bíblia foi Escrita para Você, p. 5. O negrito é meu).
O que agrava mais a situação é o fato de que Padre Jonas, em seu livro "A Bíblia foi escrita para Você" previne que se deve ler com cuidado o Eclesiastes: "Releia Provérbios e Eclesiástico -- Jó e Eclesiastes, tomando cuidado com a índole própria desses livros" (Padre Jonas Abib, A Bíblia foi escrita para Você, Loyola, São Paulo, 1994, p. 22).
E por que ter esse cuidado? Não seria porque no Eclesiastes se pode ler:
"Há justos e sábios, e as suas obras estão na mão de Deus, e, contudo o homem não sabe se é digno de amor ou de ódio" (Ecle. IX, 1), frase essa que contradiz o que ensina padre Jonas.
A necessidade de praticar boas obras para salvar-se está explicita nos textos da Sagrada Escritura. Está escrito no Evangelho: “O Filho do Homem há de vir na glória de seu pai com os seus anjos; e então dará a cada um a paga segundo as suas obras (Mt. XVI, 27)”.
Confirmando o que Deus disse no Antigo Testamento por meio dos Profetas e nos livros sapienciais:
"Eu lhes tornarei segundo as suas obras e segundo os feitos de suas mãos" (Jer. XXV, 14).
E no Apocalipse, Cristo disse:
"Eu sou Aquele que sonda os rins e os corações; e retribuirei a cada um de vós segundo as suas obras" (Apoc. II, 23).
"Ele retribuirá ao homem segundo as suas obras" (Prov. XXIV, 12).
Nesse mesmo opúsculo, Padre Jonas nunca cita as palavras Igreja, Papa, Nossa Senhora, e Sacramentos. Quem lê, tem a impressão de estar lendo um livro de um pastor protestante.
Ninguém tem certeza de estar salvo.E o Catecismo ensina que é um pecado contra o Espírito Santo ter a presunção de salvação.
informações retirada da MONTFORT Associação Cultural

Nenhum comentário: